sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

“Serei candidata, sim", disse Roseana Sarney


Três anos e meio após anunciar que não iria mais disputar cargos públicos, a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) caminha a passos largos em busca de apoio para sua pré-candidatura e reconhecimento da população. Ontem, quinta-feira (11), em Roseana deu entrevista, à rádio de sua propriedade, onde reafirmou, mais uma vez, que é pré-candidata ao governo do Maranhão em 2018.

Durante a entrevista, Roseana disse que sua candidatura é fruto das atuais circunstâncias, onde supostamente parte da população, e aliados políticos, clamam pelo seu retorno aos Leões. 

“Você não é pré-candidata de você mesma, é de uma circunstância, de um partido. Mas a princípio serei candidata, sim", disse.

Porém, a fala da ex-governadora foi um tanto desencontrada, indo contra a realidade do Estado na época e da gestão que fez. Chegou ao cúmulo de afirmar que na sua “época o Maranhão cresceu, se desenvolveu, reduziu a pobreza, geramos mais empregos, fizemos São Luís um patrimônio da humanidade”

Roseana parece esquecer-se, ou nunca soube de fato, que durante os mais de 40 anos de domínio da oligarquia Sarney, o Maranhão ocupava as últimas posições no ranking da pobreza, declaração dada pelo aliado Ricardo Murad, “não mudou nenhuma vírgula no ranking, o Maranhão era último, penúltimo”

No tocante a empregos, Roseana também ignora o fato quem em 2014 o Estado sofreu com o fechamento de postos de trabalho, onde segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), só nos dois últimos meses daquele ano foram fechados 9.858 postos de trabalho nos dois últimos meses de 2014. Apesar do aumento do consumo e de contratações por conta das festas de final de ano, apenas em dezembro o Maranhão perdeu 5.386 postos de trabalho. Foram 17.225 demissões contra apenas 11.416 contratações.

Mas absurdo mesmo, foi quando a ex-governadora disse “nunca fiz nada que fosse irresponsável e é por isso estou sendo lembrada”. Seria cômico, se não fosse trágico. A última gestão de Roseana a frente do Estado foi marcada por escândalos de corrupção, apenas na Saúde houve desvios de mais de R$ 1 bilhão de reais entre 2010 e 2013. Na Fazenda também houve desvios, onde através de um sofisticado esquema, mais de R$ 307 milhões de reais foram desviados do Estado. 

Vai ver, seja por isso que os aliados sintam sua falta nos Leões. 

Por último, Roseana falou a respeito de sua polêmica renúncia 21 dias antes do fim de seus mandato, e disse que a saída antes da hora ocorreu por "motivos pessoais", e não para evitar passar a faixa de governador a um opositor, como foi especulado.

Comments system