quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

“Pra perder o João Alberto serve como candidato”, arriscou um aliado da família Sarney.



O deputado federal Sarney Filho, se não abrir o olho, mais uma vez levará um “passa moleque” da irmã Roseana Sarney. Sem a menor perspectiva de reunir em seu palanque antigos aliados, do porte do PTB e DEM, ou legendas nanicas que sempre gravitaram em torno do grupo, a ex-governadora já não descartaria a possibilidade de concorrer ao Senado, colocando mais lenha no caldeirão da oligarquia, já prestes a explodir.

O ministro do Meio Ambiente, após uma infinidade de mandatos de deputado federal, lançou, ainda em 2017, sua pré-candidatura ao Senado Federal, em solenidade esvaziada numa casa de eventos, em São Luís, e tem trabalhado para ser o candidato do grupo. Ciente de que uma chapa com dois irmãos dificilmente conseguiria sucesso, passou a defender que o grupo apoie a candidatura do senador Roberto Rocha ao governo, sendo ele o candidato ao Senado. A iniciativa de Zequinha rumo ao PSDB, no entanto, até agora, não prosperou.

Roseana, embora tenha lançado a pré-candidatura ainda em 2017, não tem se comportado como candidata. Sempre que é entrevistada e instada a falar sobre sucessão, sai pela tangente dizendo que seu nome está à disposição do partido, mas não se vê um único movimento dela em agregar base política e nem se tem notícia de andanças pelo interior do estado, como é comum a político pré-candidato sem mandato, o que torna sua candidatura ao governo uma interrogação.

Como se não bastasse os problemas internos na família Sarney, existe ainda uma abacaxi a ser descascados que atende pelo nome de Lobão. Mesmo enrolado até pescoço na Operação Lava Jato, o senador não abre mão de disputar a reeleição, o que torna a disputa ainda mais encarniçada nas hostes oligárquicas. Isto porque existe o entendimento que aliança do governador Flávio Dino fará pelo menos um senador e só existem duas cadeiras em disputa.

Se a perspectiva dos dois lados da disputa é de fazer pelo menos um senador, é lógico que Lobão, Sarney Filho ou Roseana, caso passe mesmo a perna no irmão e se candidate ao Senado, vai sobrar. Diante da constatação, tudo indica que vão trabalhar para rifar Lobão, um politico prestes a vestir pijama que responde a vários processos por corrupção e tenta se proteger com a imunidade que o mandato oferece.

O senador João Alberto, nosso Carcará, considerado um cão fiel do ex-senador José Sarney, já desistiu de disputar a reeleição e está se aposentando da vida pública. Existem fortes comentários nos bastidores da sucessão de que será ele o candidato a governador do grupo Sarney, já que a vaidade da ex-governadora não lhe permite sacrifício. “Pra perder o João Alberto serve como candidato”, arriscou um aliado da oligarquia.

Do Jorge Vieira