terça-feira, 17 de abril de 2018

Barbosa surge como uma assombração

Ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa preocupa políticos tradicionais

Em política, a capacidade de comunicar é quase tudo. Mas, não é 100%. O ex-presidente Lula é um comunicador nato, Dilma Rousseff e Michel Temer são um desastre. Geraldo Alckmin é nulo, como um zero à esquerda. Não se trata do domínio da língua ou a loquacidade: Jânio Quadros, tal como Temer, abusava das mesóclises, mas dizia com o corpo e com a loucura. Temer desperdiça a atenção pelo movimento das mãos. Loquaz, Ciro Gomes não raro passa do ponto e dá bom dia a cavalos. Jair Bolsonaro comunica-se com sua tribo, mas assusta o grande público.

Mais do que o falar, falar e falar, trata-se da habilidade de criar e transmitir símbolos. Paulo Maluf sabia fazer isto: a arrogância paulista, o reacionarismo conservador, a Rota na Rua; Tancredo Neves, a sagacidade mineira, a esperança na democracia e na conciliação; Fernando Henrique, o intelectual público e o mundo moderno; Mário Covas, a coragem mal-humorada e resoluta, porém. Antônio Carlos Magalhães: o paradoxo de uma baianidade truculenta, que lhe valeu o delicioso apelido — maldoso-carinhoso — de ''Toninho Malvadeza''. ''A Bahia tem um jeito…''

Símbolos. Joaquim Barbosa é um feixe de símbolos. Num país elitista e de mentalidade escravagista, espelha o menino, mineiro, negro e pobre que venceu preconceitos e a vida. Que cresceu e apareceu com dedicação e o estudo que o levaram ao topo da carreira e da notoriedade social. A meritocracia, chance de quem não tem chances. A indignação arrebatadora, o sangue-quente, a coragem, o conflito; o enfrentamento, a autoridade e os ares de autoritarismo.

Barbosa é um feixe de símbolos tão fortes, que reúne características que estão em Lula, em Marina Silva, em Sérgio Moro, em Mário Covas, em Ciro Gomes e até em Jair Bolsonaro. Não por acaso, após longo período em absoluto silêncio passou a figurar bem na pesquisa de intenção de votos, do Datafolha, tendo apenas se filiado a um partido político, o PSB, sem que fosse necessário que se pronunciasse a respeito.

Não surge como azarão, mas como assombração a candidatos de todos os campos: Direita, Centro, Esquerda.

Num ambiente refratário à política, de descrédito do sistema, de cansaço com a corrupção e com os protagonistas tradicionais, Barbosa surge como uma espécie de reação ''a tudo isto que está aí''. Uma reação intempestiva, um chute no traseiro de personagens de uma história medonha e asfixiante. É o outsider de quem tanto se fala, o que vem de fora, como Dom Sebastião Justiceiro que libertará seu povo.

O problema, para suas eventuais pretensões eleitorais, é que sua força é também sua fraqueza. Tantos símbolos assim falam muito de seu passado, mas dizem pouco a respeito do futuro do país. Seu temperamento mercurial faz indagar como reagirá ao sistema político nacional que não se sujeita a principiantes; faz questionar se, diante da enorme crise, sua vontade bastará.

Impossível não trazer a imagem de Fernando Collor de Mello de volta à memória. A personalidade e o personalismo do herói não bastam, como se viu. Igualmente irresistível não recorrer ao caso de Dilma Rousseff: o voluntarismo, a intempestividade e a intolerância jogam contra.

Em pouco tempo, sem resultados e sem moderação, a intensidade do herói se esvai; rapidamente, se esgota o seu ímpeto reformador. Com o tempo, a ansiedade, a impaciência e os nervos à flor-da-pele levam o governante a praticar tiro nos próprios pés — com invariável sucesso. É justo, portanto, que o aparecimento de Barbosa como um dos favoritos, na expectativa das pesquisas, desperte dúvidas e indagações para além para euforia ou susto que o primeiro momento revela.

Como disse Ciro Gomes, Joaquim Barbosa será, agora, testado na fricção do processo eleitoral. Além da capacidade de comunicação, precisará demonstrar outras habilidades. Se colocar estruturalmente acima do fenômeno conjuntural. Conversar, dialogar, juntar vontades, reunir atores, formular uma agenda capaz de aglutinar setores e promover, após eleito, transformações de fato e não apenas de estilo.

Tudo o que Barbosa não precisará nos próximos meses será aparecer como herói e futuro ministro de si mesmo: ministro da Fazenda, da Justiça, da Casa Civil, da Articulação, da Comunicação. No Brasil de hoje, ninguém é capaz de ocupar esse papel. O juiz decide de acordo com o conhecimento que adquiriu sobre as leis, mas a base é da escolha é sua própria consciência. Já com o político é diferente: decide-se com base na história, na experiência, nas consequências, nos aliados, nas restrições. Faz-se a torta de acordo com a qualidade das maçãs.

Seu primeiro desafio será demonstrar que é capaz de se articular, o que é muito mais do que se filiar a um partido e esperar a manifestação do eleitor. Que está propenso a renuir em torno de si gente crível e capaz. Uma equipe.

Quem e como será conduzida a economia sob Barbosa? A relação com o Legislativo mudará pelo conflito, pelo convencimento ou será de conciliação? Na esfera do Judiciário, como se comportará? No enfrentamento dos interesses corporativos daqueles que, assim como ele, fizeram carreira e organizaram suas vidas na esfera do Estado, como se definirá?

São inúmeras as questões que se colocam a partir de agora para o ministro do Mensalão. Para ele, a eleição começa exigindo algo mais eloquente do que o silêncio e ainda mais profundo do que os símbolos que carrega. Por enquanto, nada indica que será capaz de responde-las. Mas, a seu favor, também nada garante que não será. Este é seu desafio. E tudo está em aberto.

Por Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.