terça-feira, 22 de maio de 2018

Roseana não empolga mais


A julgar pelo reduzido número de aliados que atendeu ao convite da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) para participar do ato de lançamento da candidatura da “guerreira”, a velha oligarquia sarneysista que já contou com o apoio da quase totalidade dos prefeitos e dos partidos Estado já não empolga mais.

Para se ter um ideia, na eleição de governador em 1994 apenas o prefeito de Fortuna, Onofre Pinto, e de São Luís, Conceição Andrade, apoiavam o então senador Epitácio Cafeteira enquanto o restante declarava apoio a Roseana, muito diferente do ato de segunda-feira (21) feito em ambiente fechado e com apenas as figuras folclóricas dos prefeitos de São Pedro dos Crentes, Lahésio Rodrigues, e de Imperatriz, Assis Ramos.

O que se viu no evento de Roseana, que resolveu ser candidata após meses de indecisão, foram as mesmas caras que sempre estiveram na linha de frente do sarneysismo, tipo Edison Lobão, João Alberto, Sarney Filho, Chiquinho Scórcio, ou seja, os mesmo que estiveram no comando do Estado ao longo de cinco décadas e só produziram escândalos de corrupção.

Roseana, segundo corre nos bastidores, acostumada em vê a velha mansão dos Sarney transbordando de aliados em períodos pré-eleitoral, ficou frustrada com a reduzida plateia, acomodada na sala de estar. Muito diferente daquele distante 1994 quando a casa do Calhau fervilhava de políticos e lideranças.

Do Jorge Vieira