sexta-feira, 27 de julho de 2018

O “Vampiro” de Coelho Neto

Faz muito tempo, mas não tanto tempo assim, que Coelho Neto teve em sua história a passagem de um vampiro pelo governo municipal. Figura um tanto que folclórica, que muitos tratam como um grande articulador, outros veem como um oportunista, mas que eu diria se tratar de um sobrevivente, na obviedade de que para alguém sobreviver, outros devem perecer. Falo hoje da figura do ex-prefeito de Coelho Neto, Antônio Cruz. 


Cruz esteve em praticamente todas as gestões que passaram pela cidade. Na era Marcia Bacelar era homem de confiança, com Magno Bacelar foi secretário de obras, e com Soliney era um auxiliar estimado. Dono de grande eloquência, muito hábil politicamente, e capaz de grandes gestos e até mesmo dos mais sujo dos subterfúgios, Cruz tem longa vida política.

Com a recente exposição do Tribunal de Contas da União (TCU) dos nomes de todos os fichas sujas do Brasil, temos hoje a chance de trazer um pouco de luz para uma história que já foi muito comentada nos bastidores, mas que poucos tiveram a coragem de tratar a luz do dia. Onde foi parar o Leite das crianças desnutridas e famílias em situação de risco de Coelho Neto, atendidas por um programa federal realizado nos anos 90? O destino final do Leite ou do dinheiro nós nunca saberemos de fato, embora não falte criatividade para imaginar.

Ex-prefeitos Antônio Cruz Waltenir Lopes na lista de fichas suja do TCU


Com a publicidade do TCU temos enfim a posição de um órgão federal sobre o episódio, apontando irregularidades durante a execução do programa na cidade tais como: a falta de comprovação que as mercadorias compradas foram de fato entregues ao governo municipal; realização de pagamentos antecipados; distribuição irregular do leite; e falta de aplicação da contrapartida municipal. Isso citando apenas algumas das irregularidades presentes.

Alguns internautas ainda fazem piadas com o episódio
(FOTO FACEBOOK)

Por esse episódio, que ficou conhecido na cidade como desvio do leite, o ex-prefeito foi motivo de chacota por muito anos na cidade, sendo alvo de piadas maldosas e alguns apelidos um tanto ingratas, dentre eles “ligeirinho” e “vampiro”. 

Voltamos a qualquer momento com mais informações