domingo, 5 de agosto de 2018

ELEIÇÃO COM GOSTINHO DE PRIMEIRO TURNO


O quadro de candidato para disputar o Governo do Estado está completo. Com a realização das convenções deste sábado (4) que aclamaram os candidatos Roberto Rocha (PSDB) e Maura Jorge (PSL), o consórcio idealizado pelo ex-senador José Sarney para enfrentar o favoritismo do governador Flávio Dino (PCdoB) entra em campo desfalcado de dos dois principais jogadores: Eduardo Braide (PMN) e Ricardo Murad (PRP) desistiram da disputa pelo Palácio dos Leões e anunciaram candidaturas a deputado federal.

Por mais otimista que se pretenda ser em relação a Roseana Sarney, uma política desgastada pelos escândalos de corrupção que marcaram seus governos, é quase que consenso no meio político que a ex-governadora teria potencial para conseguir, no máximo, 30 por cento dos votos válidos, mas seus aliados na dura missão de desconstituir a imagem do governador não ajudam, possuem percentuais irrisórios e não aparentam nenhuma capacidade de crescimento.

Sem Ricardo Murad e Braide na disputa majoritária, a função de batedor foi delegada a Roberto Rocha, um político considerado traidor pelos partidos que o elegeram em 2014, nascido e cevado no berço da oligarquia Sarney e que desenvolveu um ódio mortal do governador como recompensa pelo mandato de senador que recebeu de mão beijada. O discurso agressivo contra Dino, no entanto, tem se mostrado insuficiente para minar a imagem de administrador eficiente do governador.

Maura Jorge, a segunda candidata do consórcio, tenta pegar carona na onda Jair Bolsonaro, mas até agora a colagem de sua imagem ao representante da direta não lhe tem rendido aprovação nas pesquisas e sua candidatura continua com percentual irrisório. As apostas, no entanto, é que ela poderá terminar a eleição na frente de Roberto Rocha, que pode sair da campanha menor que entrou.

Já Ramon Zapata do velho PSTU e seu surrado refrão “Só a Luta Muda e Vida”, que diga de passagem não apoia a oligarquia, vem para a campanha apenas para marcar posição, muito pouco tem a contribuir. Mais improvável ainda é Zapata, Rocha e Maura juntos conseguirem mais de 20 por cento dos votos válidos para ajudar Sarney realizar o sonho de levar o pleito para ser decidido num segundo turno. Tudo indica que a eleição será decidia mesmo dia 7 de outubro.

Voltamos a qualquer momento com mais informações

Do Jorge Vieira