terça-feira, 7 de agosto de 2018

Liberdade não é para todo mundo


O que dizer de um certo grupo acolá, que vinha se articulando de forma bonita e independente para as eleições de 2020. Juntaram lideranças, buscaram o consenso, e até conseguiram um bom partido político. 

Pensando no futuro, estavam mobilizando-se neste ano, se preparando de forma sóbria e coerente, firmando acordos que viessem a lhes dar suporte para a próxima disputa municipal. Reuniram-se com alguns candidatos, fecharam apoios, que estavam sendo honrados fidedignamente por ambas as partes, tudo parecia muito bem 

Mas, e parece que em Coelho Neto sempre tem um “mas”, o grupo rompeu de uma hora para outra os acordos que eles mesmos construíram e foram atrás. Simplesmente voltaram romperam com a palavra dada, e assumiram compromissos com outras pessoas. 

Dizem as más línguas que bastou uma ex-prefeita puxa a corrente, dar duas palavras de ordem, que o grupinho foi abanando o rabo para a antiga dona, nem sequer disfarçaram. Por isso meus amigos e leitores, as coisas custam a mudar em Coelho Neto, as pessoas não sabem ser livres, preferem as antigas correntes e os velhos métodos.