quarta-feira, 24 de outubro de 2018

No final do mandato, Lobão e João Alberto planejam "atentar" contra o Maranhão

Os parlamentares maranhenses no Congresso Nacional reuniram-se ontem, terça-feira (23/10), para discutir a destinação da Emenda de Bancada para 2019, no valor de R$ 169 milhões de reais sendo impositiva, ou seja, o governo federal tem obrigação de executar. 


Porém, um acordo sobre o destino do recurso está muito distante, isso porque o senadores Lobão e João Alberto, ambos do MDB e rejeitados pela imensa maioria dos maranhenses, desejam dar outro fim para o recurso, que não seja o bem comum do estado, como tradicionalmente acontece no Congresso Nacional. 

Assim, os senadores repetem a mesma tática sorrateira que empregaram em 2017, e querem destinar sozinhos 50% do valor. Ou seja, planejam ficar com R$ 84,5 milhões da emenda que deveria ser destinada em algo comum e consensual entre toda a bancada.

No ano passado, um acordo chegou a ser desenhado entre os congressistas maranhenses para que a totalidade da emenda fosse destinada à saúde, contudo em uma rompante dos senadores, liderados por Roberto Rocha (PSDB) e com anuência de grande parte dos deputados "sarneyzistas", mais da metade do recurso foi retirado da Saúde e levado para a Codevasf, que no estado é administrada pelo cunhado de Roberto Rocha. Até hoje os maranhenses não sabem como o recurso foi aplicado, quais municípios foram atendidos, e quantos maranhenses foram beneficiados. 

Agora, com Lobão e João Alberto prestes a deixarem o senado, e com Roberto Rocha atuando ao máximo enquanto está com maioria na Casa, mais uma vez os maranhenses terão dificuldade para ter alguma obra ou serviço relevante com este recurso.

Com informações do Clodoaldo Corrêa