quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Clã Sarney começa a fazer testes para definir caminho em 2020


Alguns nomes são muito badalados para concorrer à prefeitura de São Luís em 2020. Na Grande Ilha, apenas a capital maranhense não terá o atual prefeito concorrendo à reeleição e a expectativa é grande para o pleito. Mas com exceção de Eduardo Braide (PMN), todos os nomes que estão sendo colocados são do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB): Felipe Camarão, Bira do Pindaré, Márcio Jerry, Duarte Júnior, Pedro Lucas Fernandes, entre outros. Mas como o grupo Sarney se prepara a disputa?

O Clã que está machucado após perder duas eleições para Flávio Dino, perder as cadeiras no senado federal e a imensa maioria das bancadas federal e estadual está em um momento de testes, especulando os nomes, para sentir a receptividade. Nesta quinta-feira (26), o jornal da família colocou na baila o principal herdeiro político do grupo: o deputado estadual Adriano Sarney (PV).

O grupo aposta muito em Adriano para um futuro. O teste da apreciação do nome na capital é o primeiro passo. Mas pode ser uma faca de dois gumes. Uma grande rejeição em São Luís esfriaria muito as pretensões maiores para o neto do oligarca. Semelhante ao que aconteceu com Roberto Rocha nas eleições deste ano, quando saiu muito menor do que entrou e distante de qualquer pretensão política de grande porte pelas próximas eleições.

Outro nome bem cotado é da presidente do IPHAN, Kátia Bogea, que por muito tempo foi superintendente maranhense do órgão. A ampla reforma da Rua Grande e da Praça Deodoro feita pelo IPHAN em parceria com a prefeitura de São Luís tem sido um filão para que o nome de Kátia tenha maior visibilidade e ganhe musculatura e a partir daí o Clã sinta se ela pode entrar na disputa.

O vereador Marcial Lima é o nome mais leve com relação ao peso da rejeição do grupo. Muito conhecido na cidade como repórter comunitário da TV e rádio Mirante, não tem a pecha do sarneyzismo tão forte e pode ser mais palatável pelo eleitor. O vereador tem sido visto com bons olhos desde que chegou á Câmara de São Luís, mas sua não eleição a deputado este ano foi uma ducha de água fria nas pretensões.

A solução mais viável seria pegar um produto já envelopado. Eduardo Braide pode ser candidato com um apoio velado do grupo. Em 2016, ele se recusou a ter o apoio explícito do Clã apesar da revelação de Adriano Sarney de que Braide procurou a família. Com um recall eleitoral, mas sem consistência de grupo, pode ser a solução para Braide o apoio do Clã, sem grande compromisso de exposição.

São as alternativas que se apresentam neste momento para os sarneys em 2020.