terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Show de horrores em Timon


A oposição Timonense tem ido cada vez mais baixo em sua busca pelo poder, agindo em desrespeito a população e a democracia do voto. Eles que além da prática corriqueira de muitas vezes faltar com a verdade, propagando distorções, passaram agora protagonizar absurdos como o do último sábado (05/01), quando impuseram uma barreira e impediram um oficial de justiça no estrito cumprimento do dever legal de acessar o plenário da casa para intimar a vereadora Socorro Waquim (MDB) a respeito de decisão judicial anulando a Sessão Legislativa realizada dia 02 de janeiro de 2019, e assim tornando sem efeito qualquer decisão tomada pela vereadores naquele dia.

Vereadores Ramon Junior e Anderson Pêgo deverão responder por acusações de corrupção contra Judiciário e Ministério Público 

Com o revés Judicial, e sofrendo grande pressão das ruas, os vereadores Anderson Pêgo (PRB) e Ramom Junior (PP) resolveram partir para o ataque ao judiciário e acusaram o juiz Simeão Pereira, responsável pelo Plantão Judicial da Comarca de Timon e que decidiu liminarmente pela suspensão da Sessão do dia 02 de janeiro, de corrupção. Nem mesmo o Ministério Público foi poupado pelos oposicionistas, o promotor Antônio Borges virou alvo, e foi acusado de ter procurado os vereadores para fazer acordo às margens da Lei.

Respondendo uma postagem no Facebook, o vereador Anderson Pêgo foi o primeiro a atacar, e acusou: “Promotor procurando vereador para fazer acordo usando o nome de juiz”. Já o vereador Ramon Junior, foi mais direto, e através de um programa de rádio falou acusou firmemente: “passou o dia ontem procurando vereadores para negociar essa decisão”. Com declarações tão fortes que beiram a irresponsabilidade, os vereadores declaram guerra agora ao Judiciário, demonstrando que não respeitam as instituições, em um ato tolo de arrogância e prepotência.

As falas dos edis repercutiram rapidamente, com grande peso negativo para todo o Legislativo Timonense, que está se notabilizando em todo Maranhão nos últimos meses pela inoperância e pelos escândalos protagonizados pela oposição.